A busca do “suspeito” e o stress

Como cão que fazia serviço de segurança numa empresa devidamente legalizada e licenciada, o Bodan tinha que fazer um exercicio denominado “busca do suspeito”.

Aparentemente tudo normal, mas! Diz a lei da segurança privada que um cão a fazer este tipo de serviço tem que estar à trela e usar açaime! Então qual a utilidade deste exercicio? Nenhuma!

É de elogiar este detalhe na lei, trela e açaime, indirectamente diz-nos que “um cão não é uma arma” e como tal nunca deve ser usado para agredir. Apesar disso ainda há muita gente a procurar cães de guarda, para serem usados como armas…a ignorância fala mais alto e mais alto deve falar o ego ou o acreditar que dá estatuto…

Para este exercicio o “suspeito” escondia-se dentro de um edificio ou num local ao ar livre, atrás de um arbusto, muro ou o que fosse. O cão era solto ao mesmo tempo que se dava a ordem para procurar (neste tipo de treino só há ordens e ponto final). Então o mesmo cão começava a correr pelo local a procurar aaté encontrar. Depois parava em frente do “suspeito” e ladrava, isto se o suspeito ficasse parado, se o suspeito mexesse o cão mordia no fato ou na manga.

De referir que nenhum cão mentalmente equilibrado e tranquilo escolhe morder. Morder é o último dos comportamentos a que um cão recorre para se defender de uma possível ameaça e sempre que possível evita. Neste caso o morder é um comportamento ensinado/provocado pela adição de stress e medo durante a aprendizagem.

Outro ponto a referir é que nenhum cão anda a procurar o que quer que seja a correr, só o faz quando está em stress! E porquê? Porque ao correr passa ao lado de muita informação. Procurar é um exercicio que requer concentração de forma a alcançar o sucesso. Não faz falta a excitação porque toda a excitação dificulta a cencentração. Quando um cão procura alguma coisa, descloca-se calmamente.

E a busca do “suspeito” que o Bodan fazia?

Resumidamente era um exercicio de corrida de resistência…podia passar várias vezes perto do “suspeito” sem nunca perceber que ele estava ali! E porquê? Esta é a parte em que os “especialistas” carregam o cão de defeitos e o culpam pela sua falta de conhecimento no que diz respeito aos cães e também falta de empatia. Dizem coisas como: “Não sabe procurar”, ora se não sabe foi porque não o ensinaram como deveriam. “É maluco”, nem vale a pena comentar tamanha estupidez. “Não sabe usar o nariz”, na verdade todos os cães sabem usar o nariz, só precisam de estar num estado mental que lhes permita usar as faculdades que a mãe natureza lhes deu, os cães são caçadores natos, como tal todos, mais ou menos usam o nariz. E outras pérolas encontradas nos confins de não sei onde…

Quando finalmente o Bodan encontrava o “suspeito” lançava-se a ele e mordia! (No fato ou na manga) Raramente parava em frente a ele a ladrar como era suposto. E porquê? Simples, a frustração de andar a procurar alguém e não encontrar e o medo de a qualquer momento poder apanhar um choque (embora já não usasse a coleira) faziam com que o stress fosse para lá de elevado!

Tudo isto é uma mistura explosiva que desgasta demasiado e nenhum ser vivo deveria viver assim. Não há problema em ter um cão a ajudar os humanos, o problema está em os humanos insistirem que já sabem tudo sobre cães e os respeitam quando na verdade não acontece nem uma coisa nem outra.